Vitrine dos Vinhos
Banner Verao 728x90

Como degustar

Introdução


Degustar um vinho nada mais é do que beber com atenção e usar os sentidos – visão, olfato e paladar. Por isso, em termos gerais, a degustação de um vinho envolve 3 etapas: a análise visual, a análise olfativa e a análise gustativa.

É importante que, durante a degustação, você segure a taça pela base ou pela haste, evitando, com isso, marcar o corpo da taça com os dedos, além de impedir que a bebida esquente com o calor da sua mão. Quanto à temperatura, é difícil adotar uma regra absoluta. Por essa razão, indicamos os seguintes parâmetros:

  • os vinhos tintos encorpados: 18°C;
  • vinhos tintos de corpo médio: 14-16°C;
  • vinhos tintos licorosos e fortificados em geral: 14°C;
  • vinhos tintos leves e vinhos brancos robustos: 12-14°C;
  • vinhos brancos secos de corpo médio e vinhos rosés: 10-12°C;
  • vinhos brancos secos leves: 8-10°C; e
  • espumantes e vinhos brancos doces: 6-8°C.

Análise Visual 1


A primeira etapa da degustação consiste em analisar a cor, o brilho e a limpidez do vinho.

Como fazer: incline a taça preferencialmente contra um fundo claro, com uma pequena quantidade de vinho dentro. Perceba a composição da bebida, que deve estar límpida, isto é, sem partículas em suspensão ou em depósito; caso haja – pode acontecer com vinhos envelhecidos ou com exemplares de vinhos “não filtrados” – a bebida precisará ser decantada. Em geral, o vinho deverá possuir um brilho intenso e uma composição transparente.

Análise Visual 2


Nessa etapa pode-se, também, constatar a idade do vinho.

Como fazer: visualize 2 regiões: a central, em que a cor do vinho é mais forte, e a borda ou o anel, em que a cor é menos concentrada.  A partir do processo de envelhecimento, os vinhos tintos assumem uma tonalidade mais alaranjada ou acobreada.

Já nos brancos, o envelhecimento da bebida provoca uma mudança da cor amarelo-palha para a tonalidade dourada. Nos dois casos, essa alteração de cor é melhor percebida na borda ou no anel já referidos.

Análise Visual 3


Agora, incline de leve a taça e faça movimentos circulares, para que o vinho circule pelas paredes da taça. Nessa etapa, é possível avaliar o seu teor alcoólico, pois a bebida formará “arcos”, “pernas” ou “lágrimas” que escorrerão pelo corpo da taça. Quanto mais numerosas forem essas “lágrimas” e quanto mais lentas elas escorrerem pela taça, maior será o teor alcoólico do vinho. Algumas pessoas sustentam que essa etapa vale mais pela beleza dessas lágrimas do que pela interpretação que se poderia fazer a partir delas, já que há menção exata do teor alcoólico do vinho no rótulo da garrafa.

Análise Olfativa


Nessa etapa você poderá sentir as notas aromáticas do vinho.

Como fazer: Incline um pouco a taça e faça movimentos circulares com ela, para que o vinho circule pelas paredes (como feito na análise visual 3).  Coloque o nariz bem próximo ao bocal da taça e cheire profundamente o vinho. Com a evaporação do álcool, há a liberação de notas aromáticas e você poderá sentir aromas de frutas, flores, madeira, especiarias… Repita esse passo quantas vezes você quiser.

Quanto maior a memória olfativa de uma pessoa e quanto mais vezes ela fizer esse teste com vinhos, mais aromas diferentes ela poderá perceber e mais rica será a sua percepção nessa etapa.

Análise Gustativa 1


Dê um gole (não exagerado) de vinho e leve a bebida por toda a boca, fazendo-a manter contato com as bochechas alternadamente – é como se fosse um bochecho lento com o vinho. Em seguida, traga a bebida para a frente da boca, deixando-a tocar as gengivas frontais. Segure por um instante na frente da boca e em seguida engula.

É possível que você sinta como se sua boca estivesse “amarrada”, sensação parecida com a de comer uma banana verde. Tal sensação, mais sensível nos vinhos tintos, está relacionada aos taninos. Quanto mais intensa for essa sensação adstringente, mais tânico esse vinho será! Você, também, poderá sentir a acidez do vinho nas laterais da língua: se ela for acentuada, você vai sentir a região “pinicar” e quem sabe, poderá até salivar mais!

Análise Gustativa 2


Após a bebida ser ingerida, você poderá ter a impressão de que seu sabor permanece na boca. Essa sensação é chamada de retrogosto, o qual pode ser avaliado pelo grau de persistência, ou seja, pela durabilidade dessa sensação após a ingestão do vinho. Nem sempre os vinhos persistentes são de boa qualidade, pois a sensação deixada na boca pode ser longa e desagradável. Nesse mesmo raciocínio, você pode estar beber vinhos pouco persistentes, mas que são muito agradáveis e de ótima qualidade.

As análises visual, olfativa e, sobretudo, gustativa podem ser feitas independentemente do tipo de vinho que você tenha em casa (tintos, brancos, rosés, espumantes…) e, obviamente, cada variedade possuirá as suas particulares. Atente para seus sentidos sempre que você for beber um vinho: esta é a melhor forma para você desenvolver o seu paladar.

Conclusão


Agora que você aprendeu um pouco mais sobre a degustação de vinhos, é importante que você saiba de mais uma coisa: existe uma grande variedade de vinhos no mercado, de diversas localidades e com faixas de preço bastante variáveis. Certamente haverá alguma opção de vinho que o (a) agradará e que atenderá as suas necessidades!

Para isso, conte sempre com a Vitrine dos Vinhos para conhecer o seu paladar, para facilitar a busca pelo seu vinho preferido e para comprá-lo com tranquilidade e na comodidade da sua casa!

Acesse o nosso site e surpreenda-se!

Visit Us On FacebookVisit Us On TwitterCheck Our FeedVisit Us On Instagram