28/06/2021

Aquela lasanha vegetariana com um rosé!

Categoria:  Degustação, Entre R$ 100 e R$ 200, Importado, Vinho Rosé

Por: Tamine de Moraes
Vinho francês rosé Corail

Já faz um tempinho que eu degustei este vinho. Acho que foi lá por outubro de 2020.

Lapso grande? Pois é. De lá pra cá já teve muito vinho que brilhou nas nossas taças e que ainda não foi parar no blog. E a razão disso é muito simples: olhe pela janela. Acompanhe as notícias. Ouse olhar o Twitter e o Instagram. Esteja ativo em grupos políticos de Whatsapp.

Faça isso e a energia começa a se esvair rapidamente.

Nunca me imaginei selecionando tão criteriosamente as fontes de informação. Mais do que isso: nunca me vi decidindo o quanto de informação eu devo consumir por dia.

Como eu cheguei nisso? Eu perdi o freio. Foram tantas lives no começo da pandemia, tantas discussões e tanto material online pra tentar não perder o ritmo que, ao invés de me sentir estimulada, fui desanimando.

Foram 6 meses seguidos vivendo assim até a reconhecer a última gota d’água.

Foi então que eu comecei essa tal de triagem de informações e decidi sair de SP por um tempo pra dar um respiro.

Mas não dá pra sair de boa numa situação de pandemia sem planejar muito bem antes, certo? Queria manter o isolamento rígido e me sentir segura. Deu trabalho, mas achei um lugar no interior de SP sem vizinhos e sem nada que tivesse formato de gente por perto. Era só mato, passarinho, céu e libélula.

E foram nesses dias de respiro e de meditação que o Corail da Chatêau de Roquefort nos fez companhia. Antes da viagem, fiz o pedido do Corail e do Fief Seigneur no site da importadora De La Croix e chegou super rápido. Este último, um vinho branco biodinâmico que veio lá do Loire, não impressionou muito por conta de duas características que se sobressaíram demais: o álcool, cujos ataque inicial e final aqueceram o paladar além do esperado e o amargor residual que acabou se alongando no retrogosto.

Já com o Corail, a história foi outra.

Vinho rosé Corail De la Croix

O produtor responsável por esse rosé é o Château de Roquefort. A propriedade, localizada na AOC Côtes de Provence, especificamente entre Le Massif de la Sainte Baume, possui uma paisagem caracterizada pela formação de planaltos, cujas vinhas orgânicas aparecem cravadas num natural anfiteatro argilo-rochoso e de solos calcários. Apesar de muitos ignorarem a importância do terroir, é graças ao manejo biodinâmico, ao microclima criado pela altitude – cerca de 390 metros – e à exposição norte-nordeste dos vinhedos, que os vinhos da Château de Roquefort são vivos e frescos. Aliás, é neste ambiente natural e selvagem que Raimond de Villeneuve escolheu seguir sua paixão: uma vida de um vinhateiro por mais de 25 anos.

Sobre o vinho: é um blend poderoso feito com Grenache, Mourvèdre, Syrah, Cinsault, Carignan, Vermentino e Clairette. Foi produzido por meio de prensagem de uvas sem engaço, sendo que algumas variedades passaram por uma maceração fria antes disso. Na sequência: clarificação à frio, fermentação natural e amadurecimento no inox e tanques de cimento. A produção é pequena e gira em torno de 95.000 garrafas.

Corail vinho rosé

A de la Croix o descreve da seguinte forma: cor brilhante, rosé claro. Aroma cítrico finamente picante e com notas de fruta e flores brancas. Na boca tem tensão pela acidez e os aromas do nariz se repetem com um toque de erva-doce. Um bom companheiro de mesa, é um rosé para qualquer ocasião .

Impressões: um vinho rosé delicado e bem aromático, com notas doces de goiaba, cereja e morango. É seco, tem corpo médio, uma sutil adstringência e uma boa acidez. É saboroso, fresco e, embora se baste numa taça, acho que ele é um convite pra harmonizar.

vinho rosé lasanha

Fomos de lasanha vegetariana, que tinha como ingredientes abundantes o tomate, a stracciatella e a berinjela. Embora o sabor do prato tenha se destacado um pouco mais, as texturas se equilibraram bem, sem sobrar gordura e sem faltar frescor. Mas digo isso do mais alto degrau de análise técnica possível: na prática, foram bocadas e goladas super satisfeitas.

O vinho custa R$ 176 no site da importadora – é só clicar aqui pra ir pra página.

Outras degustações desse blog? É só clicar aqui.

Se você já experimentou o Corail 2019 do Château de Roquefort, avalie aqui embaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas
(Esse vinho ainda não foi avaliado)
Loading...

Categorias