01/02/2017

Vinhos Pinot Noir

Categoria:  Artigo

pinot noir

Neste artigo falaremos sobre os Vinhos Pinot Noir que, em razão da sua qualidade inegável, são apreciados por quem está iniciando no mundo dos vinhos e, também, por apreciadores experientes!

A partir dessa série de artigos sobre uvas viníferas, é possível perceber o quanto o cultivo e o terroir (conjunto de fatores geoclimáticos) adequados podem extrair todo o potencial de uma uva.

Obviamente que, aliado a eles, a experiência do produtor e as técnicas corretas de vinificação rendem mais do que bons exemplares: rendem vinhos incríveis! Por isso que cada vinho é único: ele depende de uma série de fatores para que o resultado final conquiste os apreciadores (ou uma grande parte deles). Aliás, não é à toa que se insiste tanto na ideia de que, se você provou um vinho que não gostou, não desista de provar outros. E jamais rotule uma uva ou uma variedade de vinhos por causa de um único exemplar!

Eis o caso da uva Pinot Noir: é uma variedade tinta extremamente sensível, que exige um cultivo em condições (climáticas, geográficas e estruturais) bem específicas para demonstrar todo o seu potencial de aromas e de sabor. E, não por acaso, ao estar cercada de toda a estrutura necessária, é uma das castas mais apreciadas, entre todas as outras.

Mas e qual é a origem da uva Pinot Noir?
Pinot Noir Borgonha

Trata-se de uma uva francesa, com raízes na região da Borgonha. Aliás, é na França onde há a maior extensão de vinhas de Pinot Noir cultivadas. Além da Borgonha, merece destaque a região vitivinícola de Champagne.

Diferentemente das outras uvas já citadas nos artigos anteriores, a uva Pinot Noir é extremamente sensível e, para se desenvolver plenamente, requer condições bem específicas de cultivo. No entanto, isso não é (e não foi) um obstáculo tão grande a ponto de ter impedido a sua difusão em diversos outros países como o Canadá, a Itália, a Espanha, a Argentina e o Brasil. Aliás, essa uva ganhou bastante destaque na Alemanha, na Nova Zelândia e nos Estados Unidos (Oregon, em particular). Porém, os vinhos Pinot Noir franceses ainda são os mais conhecidos e famosos no mundo.

Mas e quais são as condições de cultivo que ela exige?

A uva Pinot Noir é bastante delicada, além de bem exigente quanto ao terroir: prefere solos argilo-calcários e locais de temperatura mais fria (em locais mais quentes, ela amadurece muito rápido e não consegue desenvolver a tempo suas características principais).

E uma outra questão – e esta vale para todas as uvas viníferas – é que nem todas as videiras de uma mesma uva são exatamente iguais entre si. Isso porque cada videira se adapta ao ambiente em que é cultivada, o que, necessariamente, acaba interferindo na sua estrutura genética. Logo, é possível que, em relação a uma mesma variedade de uvas, haja videiras diversas, as quais são chamadas de clones.

Na prática, um clone pode ter algumas pequenas diferenças em relação aos outros, como ser mais produtivo, ter frutos maiores, ser mais resistente a certas doenças e até ter um tempo de amadurecimento mais rápido ou mais curto do que os outros.

Voltando para o tema do artigo: a Pinot Noir é uma das variedades viníferas que está sujeita a diversas mutações, logo, além de todo o cuidado que as videiras exigem para seu amadurecimento pleno, a seleção do melhor clone que atenda perfeitamente às demandas do produtor e da localidade onde ela será cultivada é mais um (grande) detalhe que deve ser observado.

Quais são as características principais dessa uva?
vinhos pinot noir

Visualmente, os vinhos Pinot Noir (quando a cepa é dominante ou exclusiva) possuem uma coloração rubi menos acentuada, são aromáticos, com notas de frutas vermelhas frescas como cereja, morango, ameixa, framboesa, entre outras. Quando os vinhos envelhecem em barricas de carvalho, percebem-se aromas mais florais, além de notas de couro, de madeira e até de alcaçuz.

Quanto ao sabor, são vinhos bem elegantes, menos tânicos e encorpados do que os Vinhos Cabernet Sauvignon, mas, ainda assim, complexos e saborosos. A acidez costuma ser um pouco mais saliente, porém é equilibrada. A Pinot Noir costuma ser “a escolhida” de muitos apreciadores de vinhos, justamente por resultar em vinhos cuja qualidade é inegável.

Alguns dos vinhos mais famosos do mundo, por exemplo, são feitos com a Pinot Noir, tal qual o Romanée-Conti, Côte d’Or e Clos de Vougeot. Há outros excelentes exemplares que levam a uva como destaque, tal qual diversos exemplares americanos e australianos que estão conquistando o mercado atual.

Quando faz parte de vinhos de corte (ou seja, quando há uma mistura de uvas), a Pinot Noir contribui com a sua riqueza de aromas e de sabor. Aqui, o maior exemplo é o champanhe: feito, ordinariamente, com as uvas Chardonnay, Pinot Meunier e Pinot Noir, é um dos espumantes mais clássicos e estruturados do mundo. Mas seriam esses os únicos a se valerem da qualidade dessa uva? Não. Fora da França, a Pinot Noir, também, é utilizada para produzir excelentes vinhos varietais, blends e vinhos espumantes (vide os belos vinhos alemães e diversos espumantes brasileiros).

E se eu quiser harmonizar, como faço?
pinot noir harmonização

Apesar de toda a fama que os vinhos Pinot Noir usufruem, eles combinam com diversos pratos simples, como carnes vermelhas mais magras (assadas, grelhadas ou cozidas), peixes mais fortes como o atum e o salmão, além de peixes de água doce (grelhados ou cozidos). Outra boa aposta são queijos como o brie, o gouda, o camembert e o emmental, os quais harmonizam bem com esses vinhos, principalmente na forma de petiscos.

Obviamente que esses vinhos são uma excelente opção para combinar com pratos clássicos franceses como coq au vin e boeuf bourguignon. E, sem dúvida, eles são uma aposta interessante e desafiadora ao lado de chocolates mais amargos.

Na forma de espumantes, o rol de aperitivos, pratos principais e sobremesas vão além: saladas, bruschettas, patês, canapés, camarões e lulas (ao bafo, fritos ou à doré), iscas de peixes, além de pratos mais gordurosos, como medalhão suíno, pizzas, galetos, além de sobremesas como panetones, sonhos, torta de frutas frescas ou secas.

Caso sejam envelhecidos em barricas de carvalho, a aposta vai para carnes de sabor mais forte como carré de cordeiro, magret de pato, filé ao molho madeira e até hambúrgueres.

E, na falta de planejamento sobre petiscos e refeições, saiba que os vinhos Pinot Noir se saem muito bem sem acompanhamentos, pincipalmente se você for um amante de vinhos tintos!

Você gosta de vinhos Pinot Noir? Já provou algum? Nós experimentamos um exemplar sul-africano muito interessante: o Glen Carlou Pinot Noir 2011. Além desse vinho (que indicamos a todos que apreciam vinhos tintos), prove outros exemplares dessa uva e enriqueça seu dia!


Sobre o Blog

Seja bem-vindo ao nosso blog de vinhos! Um apanhado de boas histórias para quem curte essa belíssima fonte de prazer e de cultura que é o vinho!